Relações econômicas

O Brasil é o único país da América Latina com o qual a Alemanha está ligada por uma parceria estratégica. No plano de ação da parceria estratégica (maio de 2008), ambos os países concordaram em expandir a cooperação em áreas bilaterais e multilaterais. A cooperação bilateral é diversificada. Ela abrange questões como energia, meio ambiente, clima, ciências, indústria, defesa, trabalho e assuntos sociais, bem como a cooperação nas Nações Unidas e em direitos humanos. Os dois países dedicam especial atenção aos intercâmbios científico-tecnológicos e culturais. A histórica forte imigração alemã para o Brasil tem um efeito positivo sobre a cooperação.

No âmbito da cooperação Brasil-Alemanha, a cooperação entre a Baviera e vários estados brasileiros ocupa uma posição especial. Desde 1997 existe um acordo de cooperação com o principal estado do Brasil, São Paulo, o qual foi admitido em 2006 na Conferência das Regiões Parceiras da Baviera. A segunda região parceira mais importante da Baviera no Brasil é o estado de Santa Catarina. Mas, também com os estados do Rio Grande do Sul e Pernambuco, existem áreas de cooperação.

Comércio e investimentos

O Brasil é o quarto maior parceiro comercial da Baviera no continente americano (após Estados Unidos, México e Canadá).

O volume comercial das empresas bávaras com o Brasil totalizaram em 2016 1722,1 bilhão de euros, onde a Baviera alcançou um superávit comercial de 766,5 milhões de euros. As exportações da Baviera para o Brasil recuaram em comparação ao ano anterior em 2,4% (importações do Brasil: +7,7%). O Brasil é o segundo mais importante parceiro comercial da Baviera na América Latina (ranking mundial 34). A participação da Baviera sobre a exportação da Alemanha para o Brasil é de 0,7% (participação da Baviera sobre as importações alemãs: 0,3%). 

Empresas bávaras no Brasil

Acima de 600 empresas bávaras estão engajadas no Brasil, seja com uma própria filial ou através de uma representação. Ao lado de montadoras bávaras e inúmeras fornecedoras, as empresas bávaras são particularmente ativas nas áreas de engenharia mecânica/automação, engenharia elétrica, tecnologia ambiental, tecnologia médica e química. Tecnologia da Baviera também pode ser encontrada onde você menos espera, à primeira vista – assim, por exemplo, no Rio de Janeiro no famoso estádio do Maracanã (sistema de cobertura) e na estrutura de superfície do Cristo Redentor ou nos vitrais da Catedral de Brasília.

Cooperações científicas

O Brasil é um parceiro fundamental para a Baviera em ciências, pesquisa e educação na América Latina.
A base para este excelente relacionamento e cooperação entre a Baviera e o Brasil é baseada em históricos e tradicionais laços. Neste meio tempo, existem mais de 100 parcerias de cooperação entre as universidades bávaras e brasileiras e instituições de pesquisa. No semestre do inverno 2015/16 mais de 650 estudantes brasileiros estavam matriculados em universidades da Baviera.

Um importante ator para a criação de redes universitárias e de pesquisa da Baviera e do Brasil é o Centro Universitário da Baviera para a América Latina (BAYLAT), uma instituição da Secretaria da Educação e Cultura, Ciência e Arte da Baviera (StMBW).

O BAYLAT e a Representação da Baviera no Brasil mantem uma estreita cooperação.  

Brasil na Baviera

Empresas brasileiras com sede no Brasil como Tupy, TGM Turbinas ou a rede de empresários LIDE, operam com suas filiais há muitos anos com sucesso à partir da Baviera. Com cerca de 6.000 brasileiros vivendo na Baviera, cresceu uma grande comunidade brasileira, que é acompanhada pelo Consulado Geral do Brasil em Munique. Organizações como a Associação Cultural Brasil-Alemanha e.V., o Centro de Educação Brasileiro e.V. ou a Casa do Brasil e.V. promovem a troca intercultural e aproximam a Baviera e o Brasil não apenas economicamente. Através de escolas e iniciativas internacionais como o jardim de infância brasileiro Estrelinha em Munique, a integração de cidadãos brasileiros na Baviera funciona de forma harmoniosa. Também o intercâmbio acadêmico com 98 parcerias universitárias é intenso e fortalece a cooperação bávaro-brasileira.